Crânio encontrado na Dinamarca pode ser extraterrestre - Universidade Ufo Brasileira
Universidade Ufo Brasileira , Crânio encontrado na Dinamarca pode ser extraterrestre , Intrigante ,
Crânio encontrado na Dinamarca pode ser extraterrestre 4 5 1

Crânio encontrado na Dinamarca pode ser extraterrestre

cranio alien dinamarca


Criatura, que viveu entre 1.200 e 1.280 d.C., tem estrutura óssea completamente diferente da humana e pode ser de um extraterrestre.

Durante escavações realizadas na cidade de Olstykke, na Dinamarca, pesquisadores encontraram um crânio que é 50% maior que a cabeça humana e que possui cavidades enormes na região dos olhos. O objeto batizado de “crânio de Sealand” foi encontrado por trabalhadores que substituíam a tubulação de esgoto debaixo de uma antiga casa. 

“Apesar de ter muita semelhança com mamíferos, alguns traços fazem com que seja impossível catalogá-lo entre os animais da taxonomia de Linneo”, afirmaram pesquisadores do Colégio Veterinário de Copenhague, que estudaram o crânio. Além disso, consideraram que sua estrutura era “parecida” com a caveira de um extraterrestre. 

O Instituto de Niels Bohr realizou uma datação por radiocarbono, revelando que o misterioso ser viveu entre 1.200 e 1.280 d.C. 

Quando comparado com o crânio de um humano, o crânio de Sealand tem várias diferenças. Os orifícios dos olhos não são apenas maires, mas profundos e arredondados. Além disso, a cavidade ocular se estende para as laterais do crânio, enquanto no humano, os olhos estão mais no centro. A narina no crânio de Sealand é muito pequena e o queixo estreito. 


Assista ao vídeo que traz mais detalhes (em inglês):



Fonte:  seuhistory


Crânio encontrado na Dinamarca pode ser extraterrestre Crânio encontrado na Dinamarca pode ser extraterrestre Reviewed by Flávio Mendonça on sexta-feira, agosto 19, 2016 Rating: 5
Postar um comentário

Masterchef

About Me
Munere veritus fierent cu sed, congue altera mea te, ex clita eripuit evertitur duo. Legendos tractatos honestatis ad mel. Legendos tractatos honestatis ad mel. , click here →