De estação astronômica em casa, mogiano faz 'foto animada' de Júpiter | Universidade Ufo Brasileira - Mistério - Lendas - Sobrenatural

De estação astronômica em casa, mogiano faz 'foto animada' de Júpiter

planetas em movimento gif

   Com uma câmera planetária, lentes fotográficas e um telescópio, o astrônomo amador e arquiteto de sistemas Marco Mastria, de Mogi das Cruzes (SP), fez um registro ‘animado’ do movimento das luas de Júpiter. O trabalho, feito da estação astronômica de sua casa, resultou em um vídeo com 110 mil fotos e em um GIF (Formato de Intercâmbio Gráfico – na tradução literal).

   Para registrar o movimento de Júpiter foram efetuadas 15 capturas de aproximadamente 3 minutos cada (Assista abaixo). Estas capturas geraram um total de 16 GB de dados e mais de 110 mil fotos a serem processadas.

   As imagens foram feitas no dia 17 de janeiro deste ano e divulgadas nesta semana. O trabalho durou madrugada adentro. “A primeira gravação começou às 2:32h da madrugada, e a última finalizou às 3:55h, totalizando aproximadamente 1h30 de capturas de imagens”, detalhou.​

   Além dos equipamentos, o astrônomo usa um software que o ajuda a localizar a posição de estrelas e planetas. Depois, as imagens passam por um longo e trabalhoso processo de tratamento. “Depois de capturar mais de 110 mil fotos, movimentar mais de 200 GB de dados, e quase 20 horas de trabalho, desde a montagem e ajuste dos equipamentos até a geração final de uma foto e um filme time-lapse, temos o resultado”, diz.

   O GIF mostra uma representação gráfica da localização das luas Io e Europa e suas sombras no disco de Júpiter. Segundo o astrônomo amador, que já fotografou nebulosas e galáxias, esta foi a primeira tentativa real do chamado imageamento de planetas. “Eu já fazia fotos do céu profundo, que são produzidas de forma diferente, com outros softwares e técnicas”, informou. O roteiro de produção planetária foi feito após pesquisas. “Só consegui após muita pesquisa, leitura, tentativa e erro”, disse o astrofotógrafo.


Júpiter

   Segundo o astrônomo, Júpiter é o maior planeta do sistema Solar e não é composto, primariamente, de matéria sólida, por isso, é conhecido como "gigante gasoso". É possível vê-lo a olho nu. "Você vê, mas aparentemente, é uma estrela com todas as demais, só um pouco mais brilhante, principalmente nestes dias onde Jupiter encontra-se em oposição ao Sol", detalhou.

 Paixão pela astronomia


 Paixão pela astronomia
   A estação de observação montada na casa do pesquisador funciona há quase dez anos. A cúpula chama atenção de longe. Dentro dela, no telhado, uma potente luneta é capaz de registrar fotografias e mapeia o que acontece no céu em um raio de até 400 quilômetros.

   Apesar da mudança na percepção do céu, o pesquisador flagra, quase que diariamente, pelo menos dez meteoros cruzando a cidade. Os registros são feitos por duas câmeras instaladas no teto de casa, que também é equipado com um telescópio e um sistema de previsão meteorológica.

   Marco Mastra é um dos integrantes da Rede Brasileira de Observadores de Meteoros (Bramon, na sigla em inglês).

Fonte: G1/Globo

Advertisemen

Postagem em destaque

Cientistas afirmam que o dia tem 16 horas e a terra está girando mais rapido

    Um cientista alemão vem realizando pesquisas desde 2000, e diz que o planeta tem aumentado sua velocidade de rotação. Assim, no d...