O Dilúvio nos antigos escritos sumérios e mesopotâmicos - Universidade Ufo Brasileira
Universidade Ufo Brasileira , O Dilúvio nos antigos escritos sumérios e mesopotâmicos , Mistérios ,
O Dilúvio nos antigos escritos sumérios e mesopotâmicos
4/ 5 stars - "O Dilúvio nos antigos escritos sumérios e mesopotâmicos" A tabua que contem a porção sobre o diluvio da Epopeia de Gilgamesh. A letra do idioma acádio. Mede 15. 240 mc de altura, e 13,33 de ...

O Dilúvio nos antigos escritos sumérios e mesopotâmicos

A história do Diluvio Sumério


A tabua que contem a porção sobre o diluvio da Epopeia de Gilgamesh. A letra do idioma acádio. Mede 15. 240 mc de altura, e 13,33 de largura, por 3,17 de espessura. Ele é encontrado no Museu Britânico. Foi escavado por A. Layard.

O Dilúvio na Epopeia de Gilgameh - Gilgamesh era rei sumerio de Uruk


A versão babilônica da Epopeia de Gilgamesh datada entre os séculos XIII a X a.C leva o titulo de Sha naqba imuru (O que viu a profundidade, ou em termos modernos, O que vê o desconhecido).
Foram recuperados fragmentados de aproximadamente dor terços deste versão mas longa de doze tabuas. Alguns dos melhores exemplares foram descobertos nas ruínas da biblioteca do rei Ashurbanipal da Asiria, do século VII a.C.
Tabua undécima (Nas primeiras dez tabuas da Epopeia é relatada muitos vitórias na vida do rei Gilgamesh, inclusive a morte e a sepultura de seu melhor amigo Enkidu. Gilgamesh fez uma viagem longa e muito perigosa para encontrar a Utnapishtim, de quem dizia-se que era imortal. A Tabua undécima relata o encontro de Gilgameh com Utnapishtim.

Observando Gisgamesh a Ultrapishtim, pensava que não parecia ser diferente a ele mesmo, e lhe preguntou como obteve a sua imortalidade. Utrapishtim explica que os deuses decidiram enviar um grande dilúvio. O deus Ea, para salvar Ultrapishtim, lhe disse que construísse um barco. Lhe deu dimensões precisas, e foi fechado com argila e betume. Entraram no barco da sua família, juntamente com seus artesões e "todos os animais dos campos".
Então, chamou uma tormenta violenta, que fez que os deuses fosse embora para céu. Ishtar que era uma deusa lamentou a destruição da humanidade, e os demais deuses choraram juntamente com ela. 
A tormenta continuou seis dias e seis noites, depois que "todos os seres humanos voltaram a ser barro".
Ultrapishtim chorou quando contemplava a destruição. Seu barco chocou-se em uma montanha, e ele soltou uma pomba, uma andorinha e um corvo. Não voltando o corvo, el abriu a arca, soltando seus habitantes Ultrapishtim oferecendo um sacrifício aos deuses.
Ishtar jura que, de maneira jamais vai esquecer o colar brilhante  do pingente de seu pescoço, sempre lembrará desse tempo. Chegando Enlil que era deus, nervoso ao encontrar sobreviventes, ela lhe condenou por ter instigado o dilúvio. Também Ea lhe censurou por enviar um castigo desproporcionado. Enlil abençou a Ultrapishtim e sua esposa, concedendo-lhe vida eterna.

A historia completa de Gilgamesh

A historia completa de Gilgamesh


"No começo do século XX os arqueólogos comprovaram a existência de estratos aluviais que interrompiam os restos dos materiais em diferentes lugares da Baixa Mesopotâmia (Ur, Kish, Shuruppak Laagash) e que, considerando em um primeiro momento como prova errada do dilúvio bíblico, em pouco tempo se viu que diferenciava em sua cronologia. Ignorava-se as causas daquelas inundacões que afetaram a uma ampla zona do sul mesopotâmico. mas se deduziu que foram muitos significativas,  pois o feito não ficou somente na documentação histórica, a lista real, por exemplo, também pois em alguns textos de tipo religioso, entre eles o Dilúvio Sumério, a Epopeia de Atrakhasis e o Poema de Gilgamesh. Tempos depois, no século III de nossa Era, um sacerdote babilônico de nome Beroso fez a grande catástrofe em sua obra a história da Babilônia. Prescindindo do conteúdo religioso que lhe queria dar, é inequivocamente histórico que uma grande calamidade - fossem chuvas, maremotos, e  transbordamentos dos rios o inclusive invasão de extrangeiros, carinho a Mesopotâmia, em uma data que pode fixar-se nos anos 2900 a.C.

-Observações a este respeito. Copiamos o parágrafo anterior, enegrecendo alguns dados ou expressões que gostaríamos de destacar, como evidência de que pelo menos quatro escritos dos sumérios se referem ao grande Dilúvio, a saber:

A Lista real
-O Dilúvio Sumério
-A  Epopeia de Atrakhasis
-O Poema de Gilgamesh.


Em seu livro Mesopotâmia o autor Federico Lara Peinado faz comentários ou interpretações sobre o Dilúvio que expressam suas próprias percepções, por exemplo: "As causas dessas inundações são ignoradas ...", e dando um significado simbólico à "grande catástrofe", diz que O Dilúvio poderia ter sido uma "invasão de estrangeiros". Ele também escreve: "Desconsiderando o conteúdo religioso que você quer dar ..." Tais expressões implicam, certamente, que o Sr. Lara Peinado não concorda com a idéia de um dilúvio global literal. No entanto, ele admite que "... é inequivocamente histórico que uma grande calamidade ... afetou a Mesopotâmia, em uma data que pode ser corrigida por volta do ano 2900 a. C. " Naturalmente, quem recebe a história de Gênesis como verdadeiro conhece as causas do Dilúvio; também, que é literalmente água e não alguma "invasão de estrangeiros".

Na página 72 do livro, com o título histórias da Mesopotâmia sobre o dilúvio, o Sr. Lara Peinado escreve: "A Europa ficou chocada quando a campanha arqueológica em 1928-1929 Leonard Woolley, escavando as ruínas da cidade suméria de Ur , encontrou evidências da existência do dilúvio universal. No entanto, outros testes estão localizados em várias cidades mesopotâmicas contribuiu para diluir o significado desta afirmação, que foi restrita a disputas graves entre os cientistas sobre qual desses indícios foi realmente o dilúvio. No entanto, o que poderia provar era que os sumérios esquerda textos escritos aludindo a uma grande catástrofe que tinha posto em perigo a existência da humanidade, mas cujo desaparecimento tinha sido impedido pelos deuses graças à sobrevivência de uma família. Na verdade, naqueles textos mito e história é um pouco confuso e tendem a justificar duas etapas históricas, separados por um momento simbólico instrumentalizada por uma inundação. textos mesopotâmicos com histórias do dilúvio Note-se o sumérios e babilônios versões (tablet Nippur, Nínive tablet, Fragmento Hilprecht, o Enuma ilu awilum) -muito histórias interessantes e completas- contida na Epopéia de Gilgamesh (em que a pessoa salvo das águas chamado Utnapishtim) eo épico de Atrakhasis, e especialmente a referência histórica do dilúvio contido em uma lama Prisma famosa (agora estimado em Oxford), que se relaciona com os reis tanto antediluviano e pós ao grande cataclismo até o ano de 1800 a. C. aproximadamente. Mais tarde, Gênesis, tanto em suas versões javista e sacerdotal, ofereceria a história de Noé, cuja base estava naquela história. "

-Comentarios. De nuevo, observamos que el autor pronuncia declaraciones o interpretaciones personales con el evidente propósito de restar importancia de los documentos sumerios y babilónicos referente al gran Diluvio. Por ejemplo:

-Supuestas “pruebas”, al menos pruebas no identificadas por el Sr. Lara Peinado, que diluyeran las “pruebas” halladas por Leonard Woolley.

-Que el hallazgo de Woolley quedara “restringido a serias disputas entre científicos sobre cuál de aquellas evidencias era realmente la del diluvio”.

 -Dice, quizá con una seguridad tal vez no completamente científica y objetiva, que “en aquellos textos se confundía mito e historia y más bien se tendía a justificar dos etapas históricas, separadas por un momento simbólico instrumentalizado mediante un diluvio”. Pues bien, el Diluvio separó definitivamente la historia humana en “dos etapas históricas”, la antediluviana y la postdiluviana, siendo aquel evento catastrófico mucho más que “un momento simbólico”, conforme a nuestra humilde apreciación no solo del relato en Génesis sino de un gran caudal de datos geológicos, hallazgos arqueológicos y cuentos del Diluvio tanto de otros pueblos antiguos del mundo como de los sumerios y babilonios. En las publicaciones de la Creation Research Society, escritas por científicos de diferentes categorías, se encuentran enormes cantidades de datos a favor de un Diluvio global.

'De qualquer forma, como apreciações individuais como o Sr. Lara Peinado não anular o grande valor e impacto desses documentos sumérios-babilônico que servem para confirmar a fé daqueles que acreditam na autenticidade da história do Gênesis.
Para os quatro escritos sumérios que se referem ao Dilúvio, acrescentamos mais escritos mesopotâmicos nomeados pelo próprio escritor Federico Lara Peinado.

-O comprimido de Nippur-A mesa de Nínive-O fragmento de Hilprecht-O Enuma ilu awilum-O prisma de lama

Profecia do Apóstolo Pedro para quem zomba do Dilúvio

"Eles voluntariamente ignoram" aquilo "... o mundo do então perecido se afogou na água ..."

"... nos últimos dias os escarnecedores virão ... dizendo: Onde está a promessa do seu advento? Porque desde o dia em que os pais dormiram, todas as coisas permanecem como eram desde o começo da criação. Mas eles deliberadamente se esqueça de que em tempos antigos foram feitos pela palavra de Deus os céus ea terra, fora da água e pela água, pelo qual o mundo de então coberto com as águas, pereceram ... "

O Prisma Weld-Blundell
Data do ano 2119 a. C.


Lista de reis antediluvianos e pós-diluvianos

Lista de reis antediluvianos e pós-diluvianos


gFotografia do Prisma Weld-Blundell, datado de 2119 a. C. e que contém uma lista de reis antediluvianos e pós-diluvianos.

O Prisma Weld-Blundell é feito de argila, inscrito em escrita cuneiforme em todos os quatro lados da língua suméria. Aproximadamente 10 centímetros de altura, contém listas de reis sumérios, tanto antediluvianos quanto após o grande Dilúvio. É mantido no Ashmolean Museum, Oxford, Inglaterra, com o número de museu AN1923.444.

Mais informações sobre o Prisma Weld-Blundell
 'De qualquer forma, como apreciações individuais como o Sr. Lara Peinado não anular o grande valor e impacto desses documentos sumérios-babilônico que servem para confirmar a fé daqueles que acreditam na autenticidade da história do Gênesis.

Para os quatro escritos sumérios que se referem ao Dilúvio, acrescentamos mais escritos mesopotâmicos nomeados pelo próprio escritor Federico Lara Peinado.

-O comprimido de Nippur-A mesa de Nínive-O fragmento de Hilprecht-O Enuma ilu awilum-O prisma de lama

Profecia do Apóstolo Pedro para quem brinca sobre o Dilúvio

"Eles voluntariamente ignoram" aquilo "... o mundo do então perecido se afogou na água ..."



"... nos últimos dias os escarnecedores virão ... dizendo: Onde está a promessa do seu advento? Porque desde o dia em que os pais dormiram, todas as coisas permanecem como eram desde o começo da criação. Mas eles deliberadamente se esqueça de que em tempos antigos foram feitos pela palavra de Deus os céus ea terra, fora da água e pela água, pelo qual o mundo de então coberto com as águas, pereceram ... "

O Prisma Weld-Blundell


Data do ano 2119 a. C.


Lista de reis antediluvianos e pós-diluvianos


Fotografia do Prisma Weld-Blundell, datado de 2119 a. C. e que contém uma lista de reis antediluvianos e pós-diluvianos.

O Prisma Weld-Blundell é feito de argila, inscrito em escrita cuneiforme em todos os quatro lados da língua suméria. Aproximadamente 10 centímetros de altura, contém listas de reis sumérios, tanto antediluvianos quanto após o grande Dilúvio. É mantido no Ashmolean Museum, Oxford, Inglaterra, com o número de museu AN1923.444.

Mais informações sobre o Prisma Weld-Blundell

Lista Reyes originais provavelmente foi composta durante o reinado de Utu-hegal de Uruk (2119 -. 2112 aC), e a lista de reis antediluvianos adicionados após o reinado de Sin-Magir (1824 -. 1817 AD ), da dinastia Isin.

O Prisma Weld-Blundell (W-B 444) foi escavado em Larsa, no Iraque, pela expedição Weld-Blundell de 1922 d. C., e está no Museu Ashmolean, Oxford, Inglaterra. Dados de 2119 a. C., ou talvez um tempo antes dessa data.

-Os nomes das cidades também mencionadas na Bíblia aparecem na Lista de Reis: Babilônia, Erech [Uruk], Acádia, Calá e Nínive.

-Gilgamesh, rei de Uruk, aparece na lista.

Ele nomeou na lista cidade Suruppak, que existiu antes do dilúvio, sendo o lugar onde Zi-ud-sudra construir a arca para salvar o dilúvio, de acordo com a história do dilúvio sumério, embora o Zi-ud-sudra próprio não aparece na Lista dos Reis Sumérios.

Tradução do sumério


Tradução do sumério em cuneiforme da porção que menciona Cus:

"Depois que o Dilúvio varreu e o reinado descendeu do céu, o reinado foi estabelecido em Cush."



Cus era filho de Cam, um dos três filhos de Noé. "Cuche gerou Nimrod, que se tornou o primeiro poderoso na terra" (Gênesis 10: 1-12). No texto da Prison Weld-Blundell, Cush é também o nome de um lugar onde o primeiro governo foi estabelecido após o Dilúvio.

Lista de reis e cidades antes do dilúvio em Eridu


dilúvio em Eridu


Fotografia do Manuscrito 2855, a que tem uma lista de reis e cidades antes do dilúvio em Eridu, e que é comparada com Gênesis 5.



Manuscrito 2855. Na língua suméria. Um tablete de argila medindo 8,1 x 6,5 x 2,7 centímetros. Uma única coluna de texto, de vinte e seis linhas no cuneiforme. Data de 2000 a 1800 aC Foi encontrado na Babilônia.

Tradução do manuscrito


"Alulim reinou como rei durante vinte e oito mil e oitocentos anos. Reino de Elalgar quarenta e três mil e duzentos anos. Eridu foi abandonado. O trono do reino foi transferido para Bad-Tibira. Ammilu'anna reinou trinta e seis mil anos. Enmegalana reinou vinte e oito mil e oitocentos anos. Dumuzi reinou vinte e oito mil e oitocentos anos. Bad-Tibira foi abandonado. O trono do reino foi transferido para Larak. In-sipa-zi-anna reinou treze mil e oitocentos anos. Larak foi abandonado. O trono do reino foi estabelecido em Sippar. Meduranki reina sete mil e duzentos anos. Sippar foi abandonado. O trono foi estabelecido em Shuruppak. Ubur-Tutu reinou trinta e seis mil anos ".



 Total: oito reis, aqueles que reinaram 222.600 anos.


-Comentário [da pessoa responsável por esta informação no site que a contém]. "A lista conta o início da história dos sumérios e do mundo, como os sumérios sabiam. As cidades já eram sites muito antigos [quando o tablet foi feito originalmente, entre 2000 e 1800 a. C.], e os nomes dos reis são nomes típicos de acordo com o antigo costume sumério de dar nomes. Portanto, considera-se que as tradições coletadas são autênticas, mesmo que a sequência não esteja correta. Considera-se possível que as dinastias de cidades-estado possam ter coincidido. Tem, efetivamente, geralmente a lista antediluviana dos reis é refletida em Gênesis 5, que contém uma lista dos dez patriarcas de Adão a Noé, cada um alcançando entre trezentos e sessenta e cinco anos de idade (Enoque) para novecentos e sessenta e nove anos de idade (Metusalém), num total de oito mil quinhentos e setenta e cinco anos. Existe a possibilidade de que os duzentos e vinte e dois mil e seiscentos anos da lista dos reis refletissem uma percepção mais realista do imenso número de anos entre a Criação e o Dilúvio, bem como a duração das dinastias identificadas. Eridun, a primeira das cinco cidades mencionadas, é Uruk, na área onde mitos colocar o Jardim do Éden, enquanto o último cidade, Shuruppak, é a cidade de Ziusudra, o sumério Noé

"Amados, esta é a segunda carta que escrevo, em ambas as quais agitar suas mentes puras, 2 de estar conscientes das palavras que foram ditas pelos santos profetas, e do mandamento do Senhor e Salvador dadas pelo seu apóstolos; 3 Sabendo isto primeiro, que nos últimos dias virão escarnecedores, andando segundo as suas próprias concupiscências, 4 e dizendo: Onde está a promessa da sua vinda? Porque desde o dia em que os pais dormiram, todas as coisas permanecem como eram desde o começo da criação. 5 Mas eles deliberadamente se esqueça de que em tempos antigos foram feitos pela palavra de Deus os céus, ea terra foi formada da água e pela água: 6 pelas quais o mundo que então existia perecido, sendo inundado com água; 7 Mas os céus e a terra que existem agora são reservados pela mesma palavra, guardados para o fogo no dia do juízo e da destruição dos ímpios. 2 Pedro 3: 1-7.

A natureza global do dilúvio bíblico. Inundações repentinas locais ou uma inundação global?

Ateus no Éden. Conflitos entre ateus e aqueles que defendem a história do Gênesis.

SHARE

Universidade Ufo Brasileira

A universidade Ufo Brasileira é um site para noticiar sobre casos ufo e os mistérios do universo..

  • Imagens do dribble
  • Imagens do twitter
  • Imagens do pinterest
  • Image
  • Imagens do instagram
Postar um comentário
dese